Cientistas descobrem um novo órgão humano e ele pode ser o maior do corpo

Talvez seja hora de jogar fora todos os livros antigos de anatomia – eles vão precisar de uma atualização.

Cientistas descobriram recentemente o que eles acreditam ser um novo órgão no corpo.

E isso não é tudo. Os pesquisadores também sugeriram que o órgão recém-descoberto, chamado de interstício, pode ser o maior órgão do corpo..

É isso mesmo: a pele, por muito tempo considerada o maior órgão do corpo nas aulas de ciências do ensino médio em todo o país, perderia seu status de número 1..

Humano Arm and Torso of an Anatomical Model
Um novo estudo publicado esta semana anunciou a descoberta de um órgão anteriormente desconhecido, o interstício. Getty Images

Em um estudo publicado na revista científica Scientific Reports, os pesquisadores explicam que o interstício é o espaço abaixo da pele que contém estruturas cheias de fluido, que podem agir como um “amortecedor” para manter outros órgãos seguros. E está em toda parte … abaixo da pele através do corpo, cercando órgãos internos, até mesmo enrolados em veias e artérias.

Mas como algo tão grandioso poderia passar despercebido por tanto tempo? Como The Daily Beast explicou, o interstício não é realmente novo para os médicos – é só que eles pensavam que era simplesmente um tecido conjuntivo denso. Isso porque as minúsculas estruturas fluidas foram drenadas e compactadas quando os tecidos foram transformados em lâminas, então os cientistas nunca os viram – até agora.

O interstício seria o 80º órgão do corpo.

Poderia o asteróide em forma de charuto ser uma espaçonave alienígena? Cientistas investigam

15.12.201702:47

Esta não é a primeira vez que relatos de um novo órgão abalam a comunidade científica: em janeiro de 2017, cientistas publicaram seu relatório sobre o mesentério, que conecta o abdômen aos intestinos, informou a CNBC..

Estas últimas notícias podem ter um enorme impacto na medicina moderna, talvez ajudando a explicar a disseminação de células cancerosas.

Além disso, é muito legal saber que, mesmo em 2018, ainda existem mistérios médicos a serem resolvidos.