‘Nossos corações ficaram maiores’: congressista reflete sobre a decisão de adotar gêmeos

Markwayne Mullin acabara de ser eleito para o Congresso quando o pai de três filhos começou outra jornada ainda mais importante que mudaria sua vida. Ele conheceu os bebês gêmeos, primos distantes, que um dia se juntariam à sua família como suas filhas.

HOJE
A família Mullin em sua fazenda em Oklahoma.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

Era o outono de 2012, e ele e sua esposa já eram pais de três filhos pequenos. Sua vida agitada, cheia de trabalho e família, estava prestes a ficar muito mais ocupada com seu novo trabalho em Washington..

Quando os gêmeos fizeram uma visita à casa de Mullin, em uma fazenda de gado e cavalos de 1.000 acres em Westville, Oklahoma, para comemorar seu segundo aniversário algumas semanas após a eleição, Markwayne ficou impressionado com a maneira como sua esposa Christie as crianças levaram para os mais pequenos.

E ele sentiu o que estava por vir: Christie sugeriria que adotassem as garotas, nascidas de sua distante prima adolescente..

“Não foi uma boa situação”, disse Markwayne. As meninas foram separadas quando bebês e foram criadas amorosamente, mas separadas, cuidadas pelas grandes tias que envelheciam em Christie..

HOJE
Ivy (à esquerda), Larra (no meio) e Lynette (à direita) celebram o quarto aniversário dos gêmeos em uma festa de aniversário com tema Frozen.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

“Minha esposa estava amando as meninas. Meus filhos estavam amando eles ”, lembrou o atual segundo deputado republicano. “Eu estava sentado lá pensando: ‘Não tem jeito’. Nossa vida acabou de ser revirada por eu ser eleito para o Congresso.”

“Eu literalmente tirei isso da cabeça, mas só consegui dizer”, ele acrescentou. “Minha esposa é a pessoa mais amorosa que você pode imaginar.”

Através da oração e do apoio de seus filhos e de seus pais, Markwayne, 37, e Christie, 36, adotaram os gêmeos, Lynette e Ivy, em agosto de 2013. Com aquelas menininhas enérgicas, agora com 4, além dos grandes filhos do casal, Jim , agora 11; Andrew, 9; e Larra, 6, os Mullins se tornaram pais de cinco.

Embora nem sempre tenha sido fácil desde que a criação cresceu, com duas vozes adicionais disputando atenção e mais logística a considerar ao levar cinco crianças para Washington, as gêmeas imediatamente se tornaram parte da família..

HOJE
Markwayne e Larra juntos no Havaí nas férias da família em 2014.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

“Nós éramos mamãe e papai desde o primeiro dia”, disse Markwayne. “E aquelas filhas eram nossas filhas desde o primeiro dia”.

“Houve um vínculo instantâneo”, disse Christie, o mesmo tipo de vínculo que estaria lá se ela os trouxesse do hospital para casa, como recém-nascidos..

As crianças grandes estavam animadas para recebê-las também, às vezes dando muita atenção aos pequenos. E as meninas, sociais e amigáveis, encontraram facilmente o seu lugar na vida política da família, disse Christie, capaz de lidar com muitas pessoas que muitas vezes querem segurá-las..

“Eles fizeram um ótimo trabalho se encaixando em nosso mundo maluco do Congresso”, disse Christie..

O casal, que celebrou seu 18º aniversário no domingo, não tomou a decisão de adotar apressadamente.

HOJE
Markwayne dá a Ivy (frente) e Lynette (de volta) um “grande empurrão”.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

No início, Markwayne estava relutante, e ficou assustado e nervoso com a idéia de perturbar o equilíbrio de suas vidas, já repleto de práticas esportivas e trabalhos de casa, várias empresas familiares e a fazenda..

“Eu estava sendo muito egoísta”, disse ele. “Eu estava tentando proteger o que tínhamos.”

Markwayne e Christie conversaram sobre ajudar financeiramente as meninas e discutiram a opção de adoção por vários meses.

“Ela iria falar sobre talvez devêssemos pensar em adotar as meninas, e eu inventar uma desculpa e inventar uma desculpa, e ela foi muito paciente comigo”, lembrou ele.

HOJE
Markwayne descansa com o filho Jim no hospital depois que ele é tratado por uma lesão no pulso.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

Ele se preocupou sobre como o par afetaria seus três filhos, e se ele seria capaz de amar os gêmeos como ele fez com seus próprios filhos..

Christie compartilhou com ele que suas grandes tias, ambas com cerca de 70 anos na época e morando sozinhas com renda fixa, estavam preocupadas que talvez não pudessem atender às necessidades das meninas à medida que envelhecem..

“Eles apenas rezaram para que eles vivessem tempo suficiente para vê-los na escola de pós-graduação”, disse Christie, acrescentando que as mulheres fizeram um ótimo trabalho com os gêmeos. “Markwayne e eu sentimos como se fôssemos os únicos que precisavam se aproximar.”

A questão era: quando? Christie sentiu que, se algo acontecesse com os cuidadores das meninas, ela e Markwayne teriam levado as meninas a qualquer momento. Mas por que esperar que eles experimentem o luto ou sejam mais velhos, ao integrá-los na família seria mais difícil, ela disse..

HOJE
Larra e Jim ajudam Markwayne em seu programa de rádio semanal.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

Sua fé cristã desempenha um papel importante em suas vidas, e Markwayne disse que sua esposa tirou “o último trunfo”. Ela pediu a ele para orar sobre a decisão..

Depois que ele deu a volta, o próximo passo foi ganhar a bênção de seus próprios filhos.

“Quando nos sentamos e conversamos com eles, eles simplesmente disseram, ‘mamãe, eles precisam de um papai e uma mamãe como nós’”, disse Markwayne. “Eles eram tão insistentes em trazer as crianças para cá. Foi simplesmente demais.”

O casal se lembrou de ter chorado juntos depois em particular. “Eu estava tão orgulhoso deles”, disse Christie sobre as crianças grandes. “Eles eram tão maduros e altruístas”.

O processo de adoção mudou rapidamente. E nos dois anos desde que essas garotinhas loiras se mudaram, o casal ficou impressionado com a união.

HOJE
Ivy (à esquerda), Lynette (no meio) e Larra (à direita) aproveitam a praia em férias com a família no Havaí em 2014.Cortesia Markwayne Mullin / Mallory Hall fotografia

“Nos primeiros seis meses, tivemos as meninas, todas as crianças dormiram juntas naquele quarto”, com beliches “, disse Markwayne. “Eles fizeram tudo sozinhos.”

Agora, ele chama os gêmeos mais uma bênção da família do que o contrário.

“Todos nós crescemos com isso”, acrescentou. “Todos os nossos corações ficaram maiores. Todos nós entendemos que não é sobre nós. Você vive esta vida sendo egoísta, você não vai gostar quando você abrir seu coração e sua casa. ”

Lisa A. Flam, uma colaboradora regular do TODAY.com, é uma repórter de notícias e estilo de vida em Nova York. Siga-a no Twitter.